Ensino híbrido em 2022? Como preparar a sua escola!

Em 2022, o ensino híbrido deverá se manter presente. Sua escola ou rede está preparada? Organize-se aplicando as nossas dicas.


Aluno tendo aula on-line com professora pelo notebook.

Vivemos em um mundo cada vez mais digital, no qual as fronteiras entre o on-line e o presencial tornam-se mais tênues. Quando a pandemia começou, as experiências que combinam aspectos presenciais com os digitais foram ainda mais aceleradas. Como parte disso, temos o ensino híbrido.


Afinal, de modo emergencial, boa parte das instituições de ensino precisaram adaptar e reformular as práticas e ferramentas pedagógicas diante do novo cenário. Até hoje ainda temos desafios para essa transformação. Entretanto, por trás deles, também há a oportunidade de inovar na educação, trazendo-a para o contexto do século 21.


Em meio a isso, as secretarias de educação, gestores educacionais, docentes, comunidade e alunos também começaram a perceber que o uso combinado da tecnologia com outras ferramentas e métodos pedagógicos pode oferecer benefícios para o engajamento e a aprendizagem dos estudantes.


Diante disso, o ensino híbrido é uma das grandes tendências para a educação em 2022. Mas o que é necessário para se preparar para adotá-lo com eficiência? Para saber mais, continue a leitura.


Saiba mais: Como capacitar os professores para o ensino híbrido!


Ensino híbrido: tendência para inovar na educação em 2022


O ensino híbrido é uma abordagem na qual as aulas presenciais são complementadas ou apoiadas com tecnologia, de modo que os processos pedagógicos aliem o melhor dos recursos on-line e off-line.


Um mito que é cada vez mais desfeito é de que o ensino híbrido e suas tecnologias, de alguma forma, poderiam substituir os professores. Na verdade, com as experiências iniciadas com a pandemia, evidenciou-se ainda mais a importância dos docentes, independentemente da modalidade de ensino, e que eles podem aproveitar as tecnologias para apoiarem suas aulas e se concentrarem melhor nas necessidades individuais dos alunos.


Isso potencializou ainda mais o ensino híbrido como tendência para 2022, oferecendo um novo conjunto de possibilidades em termos de flexibilidade e acessibilidade, colocando o aluno no centro do seu processo de aprendizagem com o apoio e a mediação dos professores.


Além disso, por oferecer a combinação do melhor entre os recursos do digital e do presencial, permitindo agregar metodologias inovadoras à educação e otimizar os processos de ensino-aprendizagem, muitas redes e escolas pretendem adotar ou continuar realizando atividades nessa modalidade em 2022.


De fato, conforme uma pesquisa do Instituto Península, realizada com professores e gestores da rede pública e da privada, quase 60% dos participantes identificaram o ensino híbrido como opção para personalizar as práticas pedagógicas e otimizar o aprendizado e o desenvolvimento dos alunos.


Outro elemento que deve apoiar o fortalecimento desse formato de ensino é o Programa Internet Brasil, por meio do qual o Governo Federal deverá investir R$ 140 milhões em internet para alunos de baixa renda, aumentando o acesso à rede e a inclusão digital no país para alunos da educação básica em 2022.


Ainda, o ensino híbrido poderá ser uma solução para facilitar a implementação do Novo Ensino Médio em 2022, sobretudo para a aplicação dos itinerários formativos.


Por tudo isso, especialistas confirmam que o ensino híbrido será uma grande tendência para a rotina escolar pós-pandemia.


Saiba mais: As principais mudanças na Educação em 2020, 2021 e 2022!


Assista ao vídeo do nosso consultor educacional Ton Ferreira sobre o Ensino Híbrido:


Como se preparar para adotar e otimizar o ensino híbrido em 2022


Como vimos, o ensino híbrido oferece benefícios importantes tanto para o educador (na promoção da flexibilidade) quanto para o aluno (no enriquecimento do currículo, da experiência de aprendizado, etc.).


Por isso, ele deverá ser uma alternativa cada vez mais presente na vida escolar. Assim, para ajudar a preparar escolas e redes para essa realidade, confira as dicas a seguir.


Material grátis: Como melhorar a relação entre família e escola no ensino híbrido ou remoto!


Proporcione formação e apoio para a equipe pedagógica


Para engajar os alunos, é fundamental que os educadores estejam engajados. Além disso, eles devem conhecer as metodologias e ferramentas a serem utilizadas para que essas possam ser aplicadas da melhor forma possível no contexto de cada escola.


Por isso, é indispensável oferecer formações, atualizações e apoio para que a equipe pedagógica domine as novidades e mantenha-se motivada em sua utilização.


Saiba mais: Dicas de otimização de tempo para professores em sala de aula!


Coloque os alunos no centro da aprendizagem


Para criar uma experiência de ensino orientada ao aluno no ensino híbrido, é essencial que o professor assuma um papel de mediação entre o estudante e o seu desenvolvimento, orientando-o de maneira mais próxima e personalizada tanto nas atividades presenciais quanto nas facilitadas pela tecnologia.


Saiba mais: Como promover o protagonismo dos alunos na prática?


Busque maneiras de integrar recursos a favor da aprendizagem


Mais do que pensar de forma isolada nas metodologias e ferramentas que serão utilizadas na escola e nas atividades on-line, é necessário pensar em termos de ecossistemas educacionais integrados – ou seja, como ferramentas, práticas e metodologias podem ser combinadas para potencializar o engajamento e o aprendizado do aluno independentemente da modalidade de ensino.


Assim, um dos grandes segredos para se ter sucesso com o modelo de educação híbrida é ser deliberado ao vincular o aprendizado presencial e o virtual de modo significativo.


Saiba mais: Dicas de metodologias ativas para desenvolver a distância!


Veja a dica da nossa consultora educacional Andressa Tezza para as suas aulas no Ensino Híbrido:


Planeje sempre


Por mais que o formato híbrido e a tecnologia sejam repletos de potencialidades, para que essas se manifestem, é fundamental planejar com intencionalidade a combinação entre o presencial e o digital. Para isso, deve-se dimensionar adequadamente alguns elementos centrais desse modelo, especialmente quanto aos seguintes fatores:

  • Quais práticas serão realizadas presencialmente e quais ocorrerão on-line?

  • Quais atividades serão mais beneficiadas para acontecerem de modo síncrono ou assíncrono?

  • Como contemplar diferentes estilos e ritmos de aprendizagem nos momentos presenciais e nas atividades mediadas pela tecnologia?

  • Como personalizar e oferecer apoio mais próximo nas interações on e off-line e qual é o melhor formato e direcionamento para as atividades que deverão ser feitas de modo autoinstrucional pelos alunos?

Saiba mais: Como superar os desafios do ano letivo de 2022!


Avalie os alunos de novas maneiras


O ensino híbrido também possibilita ter mais variedade, personalização e dinamicidade nas formas avaliativas. Isso poderá beneficiar os alunos que aprendem de diferentes maneiras — que são mais visuais, por exemplo.


Esta também poderá ser uma oportunidade para acompanhar o desenvolvimento de habilidades e competências socioemocionais e comportamentais dos estudantes (como negociação, comunicação, criatividade, etc.) que, em avaliações convencionais, são difíceis de serem mensuradas.


Para saber mais sobre como se preparar, baixe o nosso guia com dicas práticas para a implementação do ensino híbrido.


Acesse outros artigos sobre diversos temas no blog da Faz Educação! Aproveite também o download liberado de todos os nossos Materiais Educativos Exclusivos!

206 visualizações0 comentário