Acerte na avaliação remota da Educação Infantil com esse passo a passo!

Confira passos essenciais para planejar e fazer avaliação na Educação Infantil durante o ensino remoto.

A avaliação na Educação Infantil não perde sua importância durante o ensino remoto. Porém, precisa ser adaptada a esse cenário.


Mesmo não ocorrendo presencialmente, este processo de acompanhamento é essencial para manter o engajamento dos alunos e estabelecer estratégias para seu bem-estar e desenvolvimento neste período.


É nesta primeira etapa da Educação Básica que serão trabalhados conceitos essenciais para a etapa posterior, o Ensino Fundamental. Conforme o artigo 31, seção 11 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação, no que se refere à Educação Infantil, é estabelecido que:


“... a avaliação far-se-á mediante o acompanhamento e registro do seu desenvolvimento, sem o objetivo de promoção, mesmo para o acesso ao Ensino Fundamental.”


E isso se mantém também para a avaliação no ensino remoto. Que tal conferir alguns passos importantes para fazer essa adaptação? Para isso, continue a leitura deste artigo.


Material grátis: Educação 5.0: o que é e como se preparar!


1. Estabeleça o que muda e o que permanece na avaliação remota


A avaliação presencial não se resume a um documento. Ela é um processo. E isso não deve mudar no ensino remoto na Educação Infantil.


Entretanto, nesta modalidade, o foco pode estar mais em dar visibilidade para a aprendizagem e cuidar do bem-estar e acolhimento dos alunos do que em aferir conceitos e notas.


Assim, a avaliação proporciona para o professor um entendimento sobre o engajamento do aluno com o que está sendo proposto e um direcionamento sobre o que está dando certo e o que deve ser ajustado.


Material grátis: Planejamento do ano letivo: como preparar a sua rede!


2. Crie um plano de avaliação que seja contínuo e personalizado


Dado que a avaliação não é "uma prova" no final do ano letivo, mas um processo, ela deve ocorrer continuamente e transversalmente às práticas educacionais, de modo a permitir que o professor monitore e avalie o progresso, o envolvimento e as dificuldades da turma.


Dessa maneira, deve-se continuar seguindo a determinação da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) também na avaliação remota na Educação Infantil, realizando a checagem de rendimento escolar de modo contínuo e cumulativo.


Além disso, é importante também incluir no planejamento um acompanhamento de maneira individual, já que cada aluno apresentará interesses, avanço e lacunas de aprendizagem próprias.


Material grátis: Guia do Ensino híbrido: dicas para implementação!


3. Diversifique os instrumentos de avaliação e registro de aprendizagem


No ensino remoto, poderá haver alunos que terão dificuldade em se expor em frente à câmera e, portanto, avaliações apenas por meio de vídeos poderão não ser a escolha mais adequada e justa para acompanhar seu desempenho. Este é um exemplo de como é importante prever instrumentos quantitativos e qualitativos diversificados para os processos avaliativos e de registro.


Além disso, da mesma maneira que há diferentes estilos de aprendizagem, os alunos apresentarão também uma performance variável conforme as diferentes avaliações e abordagens aplicadas.


Entre as possibilidades a considerar, podem estar:

  • Apresentações orais;

  • Quizz interativo;

  • Frequência e participação nas atividades online propostas;

  • Parecer descritivo individual;

  • Rubricas de aprendizagem (tabela que sintetiza o que o aluno já domina, o que ele está desenvolvendo e o que ele não aprendeu);

  • Portfólios digitais;

  • Entre outras.

Material grátis: As novas tecnologias para o novo normal na Educação Pública!


4. Inclua momentos de autoavaliação no ensino remoto


A autoavaliação é essencial para que o professor conheça melhor o aluno, faça uma avaliação mais completa e descubra suas dificuldades e preferências, de modo a poder adaptar as práticas e instrumentos pedagógicos mais assertivamente.


Ela também ajuda as crianças a começarem a desenvolver competências socioemocionais, incluindo autorreflexão, autoconhecimento, autocontrole e outras importantes também sob a perspectiva da BNCC.


5. Inclua outras avaliações formativas


Além da autoavaliação, é importante incluir no processo também outras checagens formativas. Isso permite uma sondagem mais completa para se ajustar não apenas os instrumentos de avaliação como também os planos de aula e as práticas pedagógicas utilizadas no ensino remoto.


As avaliações formativas ajudarão o professor a compreender o que foi ou não assimilado, qual tipo de atividade é mais eficiente nessa modalidade, entre outros insights para ajudar a manter o aluno engajado e estimular mais assertivamente seu desenvolvimento.


6. Associe a avaliação aos objetivos de aprendizagem


A avaliação é também uma forma de verificar se os objetivos de aprendizagem foram atingidos. Nas aulas presenciais, isso provavelmente fica mais evidente. Porém, no ensino remoto, é importante também buscar maneiras de evidenciar essa questão.


Com isso, antes de uma videoaula, por exemplo, é recomendado explicitar aos alunos o que será visto no encontro, porque esse assunto será trabalhado, o que é esperado que o aluno faça, etc.


Dessa forma, todos terão mais claro no que focar e como participar da atividade e as crianças conseguirão fazer posteriormente uma autoavaliação mais completa.


Que tal se aprofundar mais nessas questões? Para isso, baixe gratuitamente o ebook Ensino Remoto: o que é, como fazer e como avaliar a aprendizagem!


A Faz Educação pode mantê-lo informado sobre as tendências na educação. Acesse nosso blog para saber mais!


Aproveite hoje o acesso liberado de todos os nossos Materiais Educativos Exclusivos!

622 visualizações0 comentário