O que é e como aplicar a Rotação por Estações na Educação

Saiba o que é a rotação por estações e descubra como aplicá-la em sala de aula para otimizar as aulas do ensino híbrido.

Ainda que nossas escolas tenham modelos de ensino similares, sabemos que os alunos não aprendem todos da mesma maneira. E a ideia de rotação por estações na educação se baseia nisso.


Enquanto alguns alunos têm mais facilidade de aprender lendo e fazendo resumos, outros precisam de um forte estímulo visual. Alguns vão entender a matéria a partir de uma explicação do professor, e outros precisam colocar a mão na massa para realmente entende-la. Então, por que não dar diferentes tipos de atividades para cada um?


Saiba mais sobre a rotação por estações e aprenda a aplica-la abaixo!


O que é a rotação por estações?


A rotação por estações é uma técnica de ensino que vem sendo muito utilizada junto ao ensino híbrido. Isso porque ela não exige que todos os alunos estejam presentes em sala de aula. Na verdade, a divisão dos alunos pode auxiliar naturalmente nesse método.


Conheça outros métodos para aplicar no ensino híbrido em nosso blog!


A ideia é que os alunos sejam separados em grupos e que cada um desses grupos trabalhe em uma atividade diferente relacionada à matéria estudada. Ou seja, é diferente dos seminários, onde cada grupo faz um trabalho no mesmo modelo dos outros sobre diferentes pontos da matéria. Nesse caso, todos estão estudando a mesma matéria, mas por meios diferentes.


Depois de concluída uma matéria, a ideia é que os grupos rotacionem. Isso quer dizer que se alguém fez um seminário sobre uma matéria, não fará sobre a próxima.


Isso permite que os alunos experimentem diferentes tipos de atividades e descubram seus pontos fortes. Além disso, torna a aula mais dinâmica, sem foco em uma metodologia antiga que direcionava todo o conteúdo para o professor. E, é claro, é fácil de aplicar em um modelo de ensino híbrido.


Como aplicar a rotação por estações em sala de aula?


A rotação por estações em sala de aula pode parecer complicada. Porém, sua aplicação é simples. Ela só exige planejamento prévio. Veja abaixo um passo a passo de como fazer isso:


Planeje as atividades


O primeiro passo da aplicação desse método é fazer o planejamento da aula. Escolher as atividades a serem aplicadas depende do tipo de matéria.


Em uma aula de História, por exemplo, alguns alunos podem ler textos, enquanto outros assistem vídeos e um terceiro grupo cria uma história. Em uma aula de física, alguns alunos podem assistir vídeos, enquanto outros criam um experimento e um terceiro grupo descobre aplicações práticas no dia a dia.


A ideia é que cada tipo de atividade contemple um estilo de aprendizagem. Assim, os alunos podem explorar a matéria por vieses diferentes.


Professores com uma boa formação têm mais facilidade para aplicar o método. Saiba mais sobre formação de professores.


Comece a aula com uma explicação geral


Os alunos não vão começar a entender a matéria a partir dessas atividades. Eles precisam ter uma base geral de conhecimento para entendê-la.


Por isso, a ideia é que o professor faça uma introdução geral. Apresente os conceitos, as aplicações, a posição da matéria no contexto em que ela é estudada. Apenas depois disso é que as atividades começam.


Divida os grupos


No momento da divisão dos grupos, o professor deve pensar nas habilidades de cada aluno. Onde o aluno pode se destacar mais? Qual tipo de tarefa pode ajudá-lo a compreender melhor o conteúdo?

O número de grupos vai depender também do tipo de matéria. Mas, principalmente, da quantidade de alunos em sala de aula. O professor deve explorar o que for melhor para cada turma.


Esse método também ajuda a diminuir a distância entre os alunos do ensino presencial e do ensino híbrido. Saiba mais sobre o assunto!


Faça um fechamento


Depois que cada grupo terminar suas atividades, é preciso fazer um fechamento sobre a matéria. Esse fechamento, em alguns casos, pode ser apenas uma fala expositiva para encerrar o assunto e relacioná-lo ao próximo.


Em outros casos, o fechamento pode ser feito em forma de debate, permitindo que cada aluno mostre o que aprendeu. E, se a aula já se estendeu muito, o fechamento também pode ser feito como lição de casa.


A rotação por estações é uma forma dinâmica e inovadora de ensinar, e pode auxiliar muitos professores durante o ensino híbrido. Com um bom planejamento, ela pode se tornar sua metodologia ativa preferida.


Quer saber mais sobre metodologias ativas e métodos para aplicar em sala de aula? Acompanhe a nossa série sobre o assunto.




465 visualizações0 comentário