Como ajudar as crianças a lidarem com a ansiedade no retorno às aulas?

Após viver mais de um ano em isolamento, é hora do retorno às aulas. Mas como lidar com a ansiedade das crianças?

Aquele friozinho na barriga que a gente sentia em todo começo de ano letivo acabou por se transformar em uma geladeira inteira: Como lidar com a ansiedade e voltar para a escola enquanto estamos vivendo uma pandemia?


Entre tantos sentimentos causados pela pandemia do novo Coronavírus, as crianças que passaram a ser consideradas também como vetores assintomáticos da Covid-19 se tornaram rapidamente um alvo fácil para a ansiedade.


Veja, a seguir, como podemos contribuir com um retorno às aulas mais saudável para as crianças, seja no formato presencial, remoto ou híbrido!


Saiba mais: Como acolher as crianças sem o toque na retomada das aulas?


Como fazer do retorno às aulas um momento especial para as crianças?


Sem dúvida, o momento de volta às aulas em 2021 será completamente diferente de todas as experiências educacionais que já experimentamos em nossas vidas, sejamos nós educadores ou familiares de crianças que terão o retorno nos próximos dias.


Depois de um ano de muitas mudanças na educação, 2021 promete, ainda, muitos desafios e o momento de retornar para a sala de aula será mais um deles.


Por conta disso, trazemos agora algumas dicas que podem te ajudar a repensar o momento de chegada das crianças, de forma que seja possível tranquilizá-las e, ainda, repensar também as estratégias que já foram traçadas até aqui.


Saiba mais: Dicas de ações de acolhimento na escola para os alunos!


Invista um tempo para conversar com cada turma, individualmente, sobre as medidas de segurança que foram tomadas para garantir a saúde de todos


Antes das aulas começarem de fato, estabeleça um cronograma para falar com todas as suas turmas, preferencialmente ainda na primeira semana.


É essencial que o acolhimento vá além das “boas-vindas” e seja também instrutivo sobre o que a escola fez, está fazendo e fará para garantir que todos estejam seguros em relação à Covid-19.


Deixe claro quais são as medidas de segurança que todos devem tomar quando estiverem dentro da escola e quais são os lugares em que será possível encontrar máscara, álcool em gel e qualquer outra coisa de que se possa precisar.


Converse também sobre quais são as medidas que devem ser tomadas pelos alunos em relação ao distanciamento social e, sobretudo, reforce o quanto é possível fazer juntos, ainda que não podendo estar tão próximos para um abraço, por exemplo.


Para as crianças que estiverem apenas no ensino remoto, as boas-vindas também devem ser acompanhadas por instruções que reforcem a necessidade do compromisso com a educação, com a rotina de estudos e com as atividades que devem ser realizadas em casa.


Seja no ensino presencial, híbrido ou remoto, é fundamental deixar sempre claro que a criança faz parte da escola e que a escola existe para ela. E, tão importante quanto, que haverá um dia em que será seguro estar de novo no ambiente escolar.


Saiba mais: Acolhimento presencial e remoto para alunos com deficiência.


Reconheça e nomeie os sentimentos das crianças que manifestarem preocupação, medo ou ansiedade na retomada das aulas


Invalidar os sentimentos de uma criança que manifesta medo, ansiedade elevada ou preocupação naqueles dias que antecedem o retorno às aulas é, além de desrespeitoso, uma péssima medida quando se trata de educação, afeto e confiança.


A criança, quando fala que está com medo de voltar à escola, que está preocupada com os pais, com os avós, ou que não quer voltar ao colégio, fala porque expressa, através da palavra, sua confiança.


Desacreditar, fazer pouco caso ou não reconhecer a validade desses sentimentos é quebrar o vínculo de confiança e de afeto que vocês têm, um para com o outro.


Portanto, se você receber em sua sala uma criança que está mesmo com medo, que está ansiosa, que está preocupada, acolha. Fale qual é aquele sentimento, traduza em palavras o que ela está sentindo e conforte-a sem oferecer qualquer mentira como solução.


Dessa forma podemos construir elos mais sólidos entre todos aqueles que estão envolvidos nos processos educacionais, criando pontes mais resistentes.


Para isso, é fundamental que tenhamos canais de comunicação sempre disponíveis para nossos alunos, para familiares e, também, para nossos colaboradores.


Contar com assistência psicopedagógica também é uma excelente estratégia para lidar com a ansiedade na volta às aulas.


Gostou desse artigo? Pesquise e tire outras dúvidas no Blog da Faz Educação!


Aproveite e garanta hoje o Guia Completo do Ensino Híbrido!

142 visualizações0 comentário