A importância de estimular a leitura nas crianças

Estimular a leitura nas crianças é uma forma de garantir atenção, concentração, foco e, ao mesmo tempo, contribuir com um mundo mais criativo, dinâmico, inventivo e repleto de arte!

Todos nós sabemos o quanto a leitura é fundamental para as nossas vidas e como ela tem a capacidade de, sim, mudar as nossas vidas!


No entanto, em um país em que muito pouco se lê, é fundamental que a escola assuma de fato a missão de formar um leitor de forma que, desde cedo, a leitura não seja um peso para os alunos e, sim, um momento de descontração, de construção da criatividade, de relaxamento e reflexão.


Incentivar a iniciação à leitura desde muito cedo garante que formemos um leitor de fato, que seja multifacetado e que possa se encorajar mesmo diante de textos mais complexos, munindo-se da capacidade de interpretar, de tornar o texto lido vivo e em um diálogo constante com a realidade que o cerca, aproximando-os mesmo em tempos de atividades totalmente remotas.


Saiba, hoje, de algumas estratégias para fazer com que a leitura se torne parte da vida dos seus alunos, de suas rotinas e que possa inundar a vida de cada um com a imaginação!


Saiba mais: Os 4 pilares fundamentais para aplicar a aprendizagem cooperativa!


Como estimular a leitura nas crianças?


Essa é a pergunta que todos devem estar se fazendo agora, uma vez que encontramos barreiras cada vez mais espessas para democratizar a leitura e torná-la acessível, mesmo quando livros são considerados cada vez mais bens de consumo e não bens culturais e imateriais.


Estimular a leitura nas crianças é um desafio, não pelo fato de que crianças não gostam de ler, não se concentram ou qualquer outra razão que o senso comum possa assumir como válido, até porque, atualmente, lemos mais do que nunca.


Em ambientes virtuais, dependemos da leitura para absolutamente tudo: seja, para encontrar um vídeo, uma música ou, até mesmo, para aprender a executar essas ações.


No entanto, esses microtextos tendem a limitar nosso tempo de atenção, tornando, muitas vezes, quase impossível encarar a literatura, que exige abstração, imaginação e outros componentes que, virtualmente, não são essenciais.


Assim, estimular a leitura nas crianças se torna cada vez mais desafiador, sobretudo quando se trata de realmente ter um livro em suas mãos.


Saiba mais: Como aplicar a Aprendizagem Cooperativa (Cooperative Learning) no Ensino Remoto!


Dando os primeiros passos: a busca por obras que dialoguem com a realidade dos seus alunos


A literatura é um mundo vasto, que pode encontrar abrigo no coração de quem a contempla desde cedo.


No entanto, em um mundo em que a atenção é disputada o tempo todo por coisas muito mais atraentes do que o livro, que é estático, que não tem iluminação e nem muda de cor o tempo todo, a tarefa do professor se torna ainda mais desafiadora.


E, para isso, é fundamental que o professor se dedique a pesquisar obras que dialoguem diretamente com a realidade de crianças, em suas mais diferentes realidades e contextos sociais.


Veja, abaixo, algumas recomendações de leitura que podem atingir em cheio seus alunos, fazendo com que eles encontrem o abrigo que é tão fundamental e que se crie ainda na infância!


Saiba mais: O que é e como aplicar o Laboratório rotacional na Educação!


Amoras, Emicida


Em seu primeiro livro infantil, o rapper Emicida se dedica a contar uma história repleta de encanto e que encontramos, cada um, em nosso dia a dia através do reconhecimento das pequenas coisas que existem no mundo e em seus detalhes.


A história, que foi vivenciada pelo rapper junto à sua filha, trata do reconhecimento de que as amoras, quanto mais escuras, mais doces são.


O diálogo que pai e filha travam trata sobre a negritude, sobre a forma como cada um ocupa seu lugar no mundo e sobre como a construção de referências positivas e saudáveis para uma criança pode modificar a forma como ela se vê e vê o mundo em que vive.


Cabelo bom é o quê?, Rodrigo Goecks


Desconstruindo preconceitos, Rodrigo Goecks busca, através da poesia e de uma história cheia de autoafirmação, autocuidado e autoestima, desconstruir a ideia de que existe o cabelo ruim e o cabelo bom, impregnada de racismo.


Dialogando com crianças crespas e cacheadas e com aquelas de cabelo liso também, o livro trata a urgência de garantir que as crianças, desde muito cedo, possam construir uma autoimagem afetiva, acolhedora e dialoga com a realidade de um mundo em que o preconceito racial e o preconceito estético ainda se tornam presentes.


Gostou desse artigo? Pesquise outros temas e tira suas dúvidas no Blog da Faz Educação!


Não perca a oportunidade e acesse hoje os nossos Materiais Educativos gratuitamente!

190 visualizações0 comentário