Como manter as famílias presentes no ensino remoto

Manter a família engajada é fundamental para o sucesso do ensino remoto. Veja dicas úteis para manter as famílias presentes neste novo momento.

O envolvimento da família, que inclui a dedicação, cooperação e apoio aos educadores e aos alunos, sempre foi fundamental. E, no ensino remoto, tornou-se ainda mais central.


Manter as famílias presentes é indispensável e traz benefícios a todos os envolvidos, formando uma rede de acolhimento, suporte e auxílio. A pandemia nos levou a ajustar a perspectiva sobre isso, em um primeiro momento, em relação aos protocolos de segurança. Mas esse envolvimento precisa ir além, com um trabalho junto aos professores para ajudar as crianças a se adaptarem a um novo modelo de estudo trazido pelo ensino remoto.


Entretanto, para obter esse apoio, é fundamental também apoiar. Conforme uma pesquisa divulgada no jornal O Globo, dois em cada três pais afirmaram enfrentar dificuldades com o ensino remoto. Portanto, essa é a primeira iniciativa para manter as famílias presentes no ensino remoto: orientá-las e apoiá-las.


Quer descobrir outras maneiras? Então, continue a leitura do artigo de hoje.


Saiba mais: Ensino Remoto: o que é, como fazer e como avaliar a aprendizagem!



Busque caminhos para manter e fortalecer os laços com a família dos alunos


Afinal, como criar vínculos e laços de afetividade mesmo por trás de telas? Há diversas alternativas que podem ajudar. Primeiramente, oferecer apoio e mostrar-se disponível para tirar dúvidas.


Além disso, escolas e redes podem criar eventos on-line especialmente para a família, incluindo desde reuniões mais informais até momentos mais sociais, como um bingo virtual, uma sessão comentada de algum filme, entre tantas outras.


A pandemia também tem evidenciado um sentimento de coletividade e de ajuda mútua, então, esse tipo de experiência deve ser vista com bons olhos e ajudar a criar uma conexão e aproximar quem, por enquanto, está distante fisicamente.


Saiba mais: 9 filmes e séries para inspirar educadores e famílias em 2021!


Tenha empatia


A pandemia afetou também a família e cada núcleo familiar enfrenta seus próprios desafios. Assim, este é um momento que demanda, primeiramente, paciência e empatia com o momento e a situação de cada família.


Desse modo, antes de cobrar, ofereça apoio, seja com o uso da plataforma do ensino remoto ou para organizar a rotina de estudo. É importante ter em mente que todos gostaríamos de dar nosso melhor, porém, o momento é desafiador e a empatia será fundamental para criar pontes e não barreiras para que a família esteja mais presente.


Saiba mais: Competências Socioemocionais: como desenvolvê-las na Educação Infantil!


Elogie as pequenas conquistas


Todos estamos enfrentando uma situação atípica. Pais e responsáveis estão tendo de se adaptar a novos formatos de trabalho, compras e gerenciamento de suas rotinas.


Assim, para mantê-los presentes e motivados, busque valorizar e elogiar as pequenas conquistas, de modo a estimular um aumento do envolvimento da família de forma gradual.


Saiba mais: Educação 5.0: o que é e como se preparar!


Ajude a família a reconhecer o potencial único do aprendizado em casa


O ambiente doméstico também permite oportunidades únicas de aprendizagem orgânica incorporada que nem sempre é possível na sala de aula. E isso pode ser explorado com o apoio da família no ensino remoto.


É importante lembrar a elas que as atividades que estimulam o aprendizado também são experienciais e aplicáveis no dia a dia - isso ajuda, inclusive, a contextualizar conceitos teóricos e trazê-los para o mundo prático.


Por exemplo, as crianças podem ajudar a contar quantos ovos ou frutas ainda há na geladeira, a organizar a lista de compras, etc. É algo simples para a família se mostrar presente e, ainda, pode ajudar a criar uma interação positiva entre pais e filhos e entre as crianças e o aprendizado.


Saiba mais: Como as famílias podem auxiliar na aprendizagem por meio de brincadeiras!


Mantenha a comunicação aberta e a escuta ativa


Uma boa comunicação é uma das bases mais importantes para manter a família próxima. Mas, além de sermos emissores, temos também de sermos bons receptores, mantendo uma escuta ativa para o feedback dos familiares e para suas dúvidas e sugestões.


Para esse fluxo funcionar, é importante estabelecer canais para essa comunicação. Pode ser um grupo no WhatsApp ou em uma rede social, por exemplo. Nos canais da secretaria, pode-se comunicar informações mais completas e detalhadas e, nestes outros espaços mais informais, checar se todos viram a informação, se têm dúvidas, etc.


Saiba mais: O novo normal e a nova escola: entenda como lidar, acolher e dialogar!


Experimente aplicar a regra dos três A's


Susan Sheridan, uma especialista em Psicologia Educacional americana, criou o que chamou de regra dos três A's:

  • Abordagem: representa o ato de escolas e famílias se apoiarem para poderem apoiar os alunos, representando uma responsabilidade compartilhada sobre a educação, especialmente neste momento;

  • Atitude de reconhecimento: ter a empatia para saber que a família também quer o melhor para as crianças, porém, nem sempre, sabe muito bem como pode ajudar. Aqui, está representada a união dos esforços e a compreensão mútua;

  • Atmosfera: engloba tanto a dimensão física quanto psicológica relacionada ao acolhimento dos pais. Por exemplo, pode ser que eles não fiquem sempre confortáveis em interagir por vídeo, mas sim por mensagem de texto. É importante buscar, quando possível, ajustar as interações de modo a eliminar barreiras que dificultariam a aproximação.

Uma parceria forte e de apoio entre escolas e famílias é um dos pilares sobre os quais o sucesso do ensino remoto se baseia, portanto, avalie quais práticas se adéquam melhor às redes e escolas e crie o seu planejamento.


Depois, não deixe de compartilhar suas experiências conosco aqui nos comentários. E, para mais dicas como essas, siga acompanhando o Blog da Faz Educação!

221 visualizações0 comentário