Alunos com Necessidades Educativas Especiais - Como voltar às Aulas Presenciais?

Atualizado: 18 de out. de 2021

Saiba como preparar a escola para receber e atender os alunos com necessidades educativas especiais após tantos meses de isolamento social.

Quando falamos do retorno às aulas presenciais, pensamos principalmente nos alunos voltando à sala de aula, de máscara, mantendo o distanciamento. Porém, quando se trata de lidar com as crianças, é necessário ter muita paciência e cuidado extra.


Não apenas por conta das especificidades de cada aluno, mas pelo que seria melhor em relação à educação deles. Afinal, a escola deve oferecer o melhor ambiente para que cada um possa se desenvolver de maneira integral.


Por isso, é preciso pensar no que é melhor para os alunos com Necessidades Educativas Especiais em meio ao retorno às aulas presenciais.


Conheça a iniciativa do Movimento Juntos Pela Inclusão! 💙


E veja a seguir algumas ações que sua escola pode adotar nesse período:


Considere a educação inclusiva e planeje o retorno às aulas


Durante o planejamento para um novo ano letivo, ou para um novo semestre, muitos gestores pecam em não pensar sob o panorama da Educação Inclusiva. Quando isso acontece, acabam encontrando diferentes problemas no caminho, que precisam ser resolvidos às pressas. Isso não beneficia nem os alunos e nem a escola.


Por isso, é imprescindível o planejamento com antecedência. O que a escola vai fazer se um aluno tiver dificuldades de seguir os protocolos por conta de alguma necessidade educativa especial? Quais são as atitudes mais adequadas em cada situação?


Os documentos oficiais podem nos ajudar nesses casos. Saiba agora o que a BNCC diz sobre Educação Inclusiva!


Analise cada caso


É importante considerar a individualidade de cada aluno quando falamos de Necessidades Educativas Especiais e o retorno às aulas presenciais. Para alguns deles, pode haver pouca diferença, pois conseguem colocar as máscaras de proteção, não têm problemas para higienizar as mãos sozinhos e conseguem manter o distanciamento necessário.


Outros, no entanto, podem encontrar sérias dificuldades. Muitos alunos do Transtorno do Espectro Autista, por exemplo, não conseguem usar máscaras. Outros, podem precisar de um auxílio profissional especializado.


Em alguns casos, será possível contornar a situação. Em outras, a escola deve considerar a possibilidade de manter as aulas desses alunos à distância.


Investir na qualidade de vida dos alunos deve ser uma prioridade da escola!


Converse com profissionais


Um erro muito comum que se comete na inserção de alunos com Necessidades Educativas Especiais é tentar resolver todas as questões sozinho, sem consultar profissionais sobre o assunto. Parte desse processo é envolver a coordenação da instituição de ensino e psicopedagogos para as tomadas de decisões tanto de cada estudante quanto da turma.


Isso é bom para este planejamento, mas também para outros. Afinal, é aconselhável entender melhor quais são as necessidades dos seus alunos. Com a ajuda de um profissional, você pode criar um ambiente mais inclusivo, interessante e estimulante para todos.



Conte com o apoio da família


A escola sempre deve estar em contato com as famílias dos alunos. No entanto, isso é ainda mais importante para alunos com Necessidades Educativas Especiais.

Responsáveis e familiares são as pessoas que mais entendem seus alunos. Eles convivem diariamente com eles e podem descrever bem as preferências e a disposição dos estudantes. Além disso, eles sabem o quanto o isolamento afetou o aluno e como ele estudou enquanto estava em casa.


Essa proximidade com a família também será importante caso ele precise continuar o aprendizado remoto. Mostre que a escola não vai deixá-lo na mão. Dê todo o suporte de que os responsáveis necessitarem para continuar oferecendo uma educação de qualidade aos filhos.


Material grátis: Como melhorar a relação entre família e escola no ensino híbrido ou remoto!


Converse com os outros alunos


Em uma escola que atende alunos com Necessidades Educativas Especiais, é preciso criar um ambiente mais acolhedor, inclusivo e seguro. Se um de seus alunos não consegue seguir todos os protocolos de higiene e segurança e estiver com dificuldades, peça ajuda dos colegas de forma lúdica e divertida. Além disso, conte com a colaboração dos outros professores para apoiar essas ações de empatia no ambiente escolar.


Saiba mais sobre os desafios que a educação encontra em um mundo pós-pandemia!


Mais uma vez, o mais importante, quando falamos de alunos com Necessidades Educativas Especiais é lembrar que ninguém pode fazer tudo sozinho. Por isso, estimule os alunos, as famílias e os profissionais especializados a trabalharem juntos pelo bem da educação e para que todos possam se desenvolver.


A Faz Educação preza por um ensino inclusivo e abrangente. Acesse nosso blog para ler mais sobre o assunto!

171 visualizações0 comentário